Ceia do Senhor Jesus realizada no último dia 3 de março de 2018 na Igreja Adventista da Promessa em Piedade. Abertura da Ceia: Pastor Luiz Carlos Trindade. Ministros à mesa: Pb Jorge Coelho, diretor, auxiliares: Pb Alexandre Rodrigues e Pb Paulo Cesar Amaral. Ministério diaconal responsável pela liturgia do lava pés e na distribuição do pão e do vinho.

E, tomando o pão, e havendo dado graças, partiu-o, e deu-lho, dizendo: Isto é o meu corpo, que por vós é dado; fazei isto em memória de mim. Lucas 22:19

E, tendo dado graças, o partiu e disse: Tomai, comei; isto é o meu corpo que é partido por vós; fazei isto em memória de mim. Semelhantemente também, depois de cear, tomou o cálice, dizendo: Este cálice é o novo testamento no meu sangue; fazei isto, todas as vezes que beberdes, em memória de mim. 1 Coríntios 11:24,25

A ceia é um dos “ritos” mais praticados pela igreja cristã em geral, a ideia desse artigo não é analisar o tema da ceia em sí, mas apenas essa pequena parte do texto, “Fazei isto em memória de mim”.

Significado

Literalmente, como meu memorial, ou, como seu memorial de mim. As palavras são comuns a Lucas e Paulo, mas não são encontradas nos outros três evangelhos.

A palavra para “memória” ocorre, no Novo Testamento, somente aqui e em Hebreus 10:3. Na versão grega do Antigo Testamento, ela é aplicada ao pães da proposição (Levítico 24:7), ao soprar de trombetas (Números 10:10), nos títulos dos Salmos 38:1 (“para trazer à lembrança”) e Salmo 70:1.

A palavra dessa forma adquiriu associações ligadas com um memorial religioso, e pode ser aplicado a um sacrifício comemorativo, embora o ato em sí não envolve a ideia de sacrificar. O fato de que nosso Senhor e seus discípulos estavam participando de um “sacrifício” (Páscoa) que também era um memorial, dá uma força especial para as palavras serem utilizadas dessa forma.

Um novo propósito

A solenidade da Páscoa ocorria geralmente com comer um pouco de pão e beber um copo de vinho. Jesus, portanto, quando instituiu a Ceia do Senhor, não criou um novo rito, mas apropriou-se de um antigo para um novo propósito.

Daí a conveniência da expressão, fazei isto em memória de mim. Fazê-lo não em memória da libertação do Egito, mas em memória de mim, que, ao morrer por você, vai lhe resgatar do cativeiro espiritual, uma escravidão muito pior do que a egípcia, em que seus pais gemeram.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Sobre esse tema escreve Charles Spurgeon

Parece, que os cristãos podem esquecer Cristo! Não poderia haver nenhuma necessidade para esta exortação de amor, se não houvesse uma suposição com medo de que nossas memórias possa nos trair. E isso não é uma suposição apenas, mas um fato, infelizmente. Muito bem confirmada em nossa experiência, não como uma possibilidade, mas como um fato lamentável.

Parece quase impossível que aqueles que foram redimidos pelo sangue do Cordeiro, e possuem um amor pelo Filho eterno de Deus, se esqueça desse gracioso Salvador; mas, surpreendentemente isso pode ocorrer.

Esquecer Aquele que nunca nos esqueceu! Esquecer quem derramou a o seu próprio sangue por nossos pecados! Esquecer aquele que nos amou até a morte! Seria isso possível? Sim, é não só é possível, mas a consciência confessa que embora seja muito triste é provável que isso ocorra.

Aquele a quem devemos fazer o inquilino permanente das nossas memórias, mas muitas vezes é um mero visitante. A cruz onde se poderia pensar que manteria a memória por muito tempo, muitas vezes é profanada pelo esquecimento.

Talvez a sua consciência queira negar, esquecer o Mestre? Jamais! Até que alguma criatura roube o seu coração, alguns negócios terrenos redigem a sua atenção, a turbulência incessante do mundo, a atração constante de coisas terrenas que tira a alma de Cristo.

Enquanto a memória preserva uma erva venenosa, ela vê a rosa de Sharon murchar. Vamos cobrar-nos para não esquecer-nos de Jesus, nosso Amado, e, deixarmos qualquer outra coisa que nos faça deslizar, retenhamos firmemente a Ele.

Fonte:
Texto publicação Bíblia Comentada
Imagens: Igreja Adventista da Promessa em Piedade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.